Sem categoria

Fã de Burnley por trás da faixa ‘White Lives Matter’ insiste que não é racista



Fonte do texto METRO.CO.UK


Jake Hepple providenciou a exibição de uma faixa 'White Lives Matter' sobre o Etihad Stadium
Jake Hepple providenciou a exibição de uma faixa ‘White Lives Matter’ sobre o Etihad Stadium (Facebook / Getty)

O fã de Burnley que organizou a faixa ‘White Lives Matter’ a ser levada ao longo do Etihad Stadium insiste que ele não é racista e não pretendia ofender os negros com o golpe.

Jake Hepple, de Colne, uma cidade perto de Burnley, em Lancashire, providenciou um avião que levasse a mensagem a ser transportada pelo Etihad Stadium, momentos depois de Burnley e Cidade de ManchesterOs jogadores de joelhos apoiaram o time. Black Lives Matter movimento na segunda-feira à noite.

O jovem de 24 anos revelou que 60 pessoas contribuíram para o custo de £ 600 para contratar o avião e fazer o banner.

Burnley condenou o incidente, com o capitão do clube Ben Mee alegando após a partida que os jogadores estavam ‘chateados e envergonhados’ com a mensagem no banner.

Mas Hepple defendeu o golpe e afirma que foi “inspirado” pelo movimento Black Lives Matter.

“Não sou racista”, disse Hepple MailOnline. “Eu sei que as pessoas estão tentando me fazer parecer uma, mas eu não sou.

Para ver este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para um navegador da Web que
suporta vídeo HTML5

“Eu tenho muitos amigos negros e asiáticos e esse banner foi realmente inspirado pelo Movimento das Vidas Negras.

‘Não estávamos tentando ofender o movimento ou os negros. Acredito que também é importante reconhecer que vidas brancas também são importantes. Era tudo o que estávamos tentando dizer.

Na terça-feira à noite, A polícia de Lancashire confirmou que o Sr. Hepple não enfrentaria acusações por causa da bandeira porque um crime não havia sido cometido.

Hepple também revelou que recebeu proteção da polícia em resposta à reação.

“A polícia me disse que não cometi nenhum crime e não fiz nada de errado”, disse Hepple.


Jake Hepple, fã de Burnley, com Tommy Robinson, ex-líder da Liga de Defesa Inglesa
Jake Hepple (à esquerda) com Tommy Robinson, ex-líder da Liga de Defesa Inglesa (Facebook)

Jake Hepple se recusou a se desculpar em um post sobre o banner
Jake Hepple se recusou a se desculpar em um post no Facebook sobre o banner (Facebook)

“De fato, eles me perguntaram se eu estava bem e queriam alguma proteção, para o caso de as pessoas tentarem me atingir.

‘Eu não entendo por que estou sendo tratado como um criminoso e acredito que houve uma reação total ao que aconteceu. Tudo foi desproporcional, é ridículo.

Hepple também alegou que sua decisão de organizar o banner foi porque ‘ninguém fez barulho’ sobre as facadas em um parque em Reading, no sábado, que deixou três homens mortos.

“Meu empregador, o clube e muitas outras pessoas reagiram completamente ao que aconteceu”, disse Hepple.


Jogadores do Manchester City e Burnley se ajoelharam em apoio ao Black Lives Matter
Jogadores do Manchester City e Burnley se ajoelharam em apoio ao Black Lives Matter (Getty Images)

“A ideia veio de um amigo meu de futebol. Ele queria enfatizar que não apenas as vidas negras são importantes, mas também as brancas e todas as outras.

‘Apoiei a ideia e acredito que ela precisava ser dita. Eu ainda faço. Então o ataque aconteceu em Reading e pensei em me envolver mais com o banner.

“Fiquei zangado por pessoas brancas terem sido mortas e ninguém estava se incomodando com isso.

‘Eu mantenho esse banner e o que ele diz 100%. Não sinto muito e não tenho vergonha do que fiz.

Siga o Metro Sport em nossos canais sociais, em Facebook, Twitter e Instagram.

Para mais histórias como essa, confira nossa página de esporte.

Gosta de dicas de futebol para investimento desportivo? Então visita agora mesmo Palpites Copa do Mundo e prepara-se para viver a emoção do maior campeonato do planeta.