Notícias

O idiossincrático Star NBA começará a parar?



Fonte do artigo SPORT1.de

Uma controversa estrela da NBA derruba o reinício da maior liga de basquete do mundo?

De acordo com relatos da mídia americana, Kyrie Irving, do Brooklyn Nets, está tocando nos bastidores para os jogadores não participarem da retomada planejada da temporada sem corona em 31 de julho na Disney World.

Em uma transmissão auto-organizada com cerca de 100 jogadores, Irving teria feito um “apelo apaixonado para se opor ao reinício em Orlando” na noite de sexta-feira, segundo relatos ESPN.

Irving com apelo

“Não vou a Orlando”, disse Irving em voz alta. O Atlético disse: “Racismo sistemático e toda a besteira: há algo errado com isso”.

Como Irving é All Star seis vezes, parte da equipe do campeonato Cleveland Cavaliers de 2016 e, não menos importante, vice-presidente do sindicato de jogadores da NBPA, sua posição está causando um rebuliço. Mas também para espanto.

Teste DAZN gratuitamente e experimente os destaques do esporte ao vivo e sob demanda | EXIBIÇÃO

ESPN relatos no mesmo fôlego de que Irving não foi visto como crítico em uma conferência da NBPA na semana passada. Em vez disso, a estrela lesionada teria feito perguntas detalhadas sobre se ele deveria torcer por seus companheiros de equipe nos jogos fantasmas, o que havia para comer e se havia patrocinadores no local e o que eles trariam para os jogadores.

Diz-se que o fato de Irving agora estar se tornando o líder da oposição surpreendeu aqueles que estavam lá.

Algumas estrelas da NBA são céticas

A motivação pessoal do idiossincrático Irving por trás de suas ações é, em última análise, menos decisiva do que aquilo que faz. Diz-se que o garoto de 28 anos não se viu sozinho com seu ceticismo e apoio.

“Estou muito mais interessado na mensagem do que no portador”, cita ESPN um jogador anônimo.

Descubra o mundo do jogo SPORT1 agora – Por aqui!

Os críticos estão preocupados principalmente com duas questões – que supostamente também incluem Carmelo Anthony, Donovan Mitchell e Dwight Howard: por um lado, existem questões de saúde que não são apenas sobre o conceito de higiene da liga, mas também sobre as possíveis consequências psicológicas do longo isolamento. – As finais podem durar até meados de outubro.

Jogos apesar do debate sobre o racismo?

O nível simbólico mencionado por Irving também é controverso: seja no contexto do caso George Floyd e na discussão onipresente do racismo, seria o sinal certo para retornar à agenda esportiva.

A impressão geral é que a maioria dos jogadores não concorda com Irving: pelo contrário, o amplo e bem considerado estádio esportivo pode até ajudar a espalhar mensagens anti-racismo.

Outro jogador anônimo, em voz alta ESPN um “altamente respeitado”, Zwiespalt diz: “Quando jogarmos novamente o basquete, o racismo sistêmico não será mais o tópico de notícias, mas quem jogou como. Será importante poder jogar novamente e reuni-lo com o que aconteceu em nossas comunidades “.

Desvantagens financeiras para jogadores

Não se esqueça: os jogadores têm interesses financeiros não apenas idealistas, mas também tangíveis.

Para ESPNEstima-se que a crise da coroa custe aos jogadores um total de US $ 300 milhões em salário e, se a temporada terminasse, as consequências financeiras seriam ainda maiores.

Acima de tudo, os jogadores devem temer que, se os clubes desistirem, terão a oportunidade de encerrar o “Acordo de Negociação Coletiva” com o sindicato dos jogadores. Isso exigiria a renegociação de vários acordos financeiros – o que seria desvantajoso para os atores na situação atual.

Resta ver se a campanha de Irving contra o reinício da NBA tem uma chance realista nesse contexto.

Gosta de dicas de futebol para investimento desportivo? Então visita agora mesmo Palpites Copa do Mundo e prepara-se para viver a emoção do maior campeonato do planeta.