Notícias

Brincadeira: Com capuz FCB no bloco de fãs



Fonte do texto SPORT1.de

Apenas um ponto separa o SC Freiburg do salto para a Copa da Europa, mas o caminho até o sábado leva o FC Bayern.

Na Arena Allianz, o novo campeão recebe Breisgau com o treinador de cultos Christian Streich. (Bundesliga, jornada 33: FC Bayern – SC Freiburg, sábado a partir das 15:30 no LIVETICKER)

Antes disso, o garoto de 55 anos fala em parte um dos grandes SPORT1– Entrevistas sobre sua própria infância como fã de Munique, seu relacionamento com o SC Freiburg e a mudança de Timo Werner para o Chelsea.

SPORT1: Sr. Streich, a Bundesliga está perdendo o melhor atacante alemão, Timo Werner se muda para o Chelsea. Como você vê o problema de um bom jogador voltar para a Inglaterra?

Christian Streich: Isso é uma pena. Agora temos que ver que treinamos o próximo (risos). Você não pode fazer nada sobre isso, também é legal na Inglaterra. Em algumas coisas, não é tão bom quanto na Bundesliga, mas me disseram que também é bom.

SPORT1: O RB Leipzig traz muito dinheiro para a transferência, mas os espectadores perdem a cara da liga …

Pegadinha: Isso é estúpido, mas se você olhar para os jogos agora, é realmente chutado. Gosto no momento, exceto que não há espectadores. O futebol é jogado e em um bom nível. Talvez eu o veja muito positivamente, mas quando vejo nossos jogos contra Gladbach ou Hertha, penso: Você pode ver isso, está tudo lá. Dortmund é uma equipe excelente, mas perde para o Mainz. O fugitivo é a Baviera, eles sempre são campeões. Mas o que você quer fazer se eles são os melhores? Mas por outro lado a liga está boa e bem.

O passe duplo CHECK24 – no domingo a partir das 11h na TV no SPORT1

SPORT1: O FC Bayern está dez pontos à frente dos perseguidores. Você acha a luta pelo campeonato alemão entediante?

Pegadinha: Você não sabe todos os anos se isso vai acontecer novamente. Poderia ter sido diferente este ano. Não é chato, mas no final a Baviera está na frente. Seria bom se outro campeão viesse e o Bayern estivesse realmente irritado e totalmente irritado. Então eles socam novamente no próximo ano e eles sobreviverão. Estou totalmente feliz por Hansi Flick. Quem pensaria um ano atrás que Hansi se tornaria campeão alemão do Bayern? Ele mereceu totalmente. Eles são os melhores, e os melhores devem ser os primeiros.

Quando Streich estava chorando na cama por causa da Baviera

SPORT1: Em Freiburg, jogos contra o Bayern ainda são vistos como um presente. Por que esse ponto de vista nunca muda?

Pegadinha: Acredito que sim. De certa forma, é quase um hábito, porque muitas vezes podemos jogar contra o Bayern e estamos frequentemente na Bundesliga. Jogamos contra o Bayern duas vezes em uma temporada e consideramos isso ótimo. Nós a levamos ao limite algumas vezes em casa. Na primeira etapa, um desempenho 1: 1 teria sido mais justo que o 1: 3 no final. Isso nos empurra e nos motiva insanamente quando jogamos contra essas equipes. Queremos mostrar o que podemos fazer. Conseguimos isso muitas vezes e já marcamos pontos. No ano passado, fomos a única equipe que não perdeu para o Bayern na temporada. Nós percebemos esses jogos como algo especial, porque é apenas algo especial.

SPORT1: Você sonhou com esses jogos quando decidiu se tornar treinador de futebol?

Pegadinha: Quando vi Beckenbauer, Müller, Sepp Maier, ‘Bulle’ Roth ou ‘Katsche’ Schwarzenbeck, eu sonhei em tocar. Quando menino, aos oito ou dez anos, esse jogo insano foi contra o Atlético Madrid, onde Schwarzenbeck marcou o gol (Final de 1974, empate para 1-1 no minuto 120, nota do editor). Eu estava chorando na cama, meu pai me levou para sair porque eu não agüentava nervosamente. Ele me chamou e chamou: ‘Saia, pare de chorar, Schwarzenbeck marcou um gol.’ Nunca vou esquecer isso, foi tão emocionante. A repetição ocorreu dois dias depois (4-0 para o Bayern), e Uli Hoeneß e Gerd Müller marcam dois gols cada porque o Atlético foi destruído com este chute de Schwarzenbeck. Eles ainda têm trauma hoje. Eu sonhava que iria chutar junto ou assistir de fora e depois entrar em campo. Estou lá há muitos anos e vejo como os jogadores lutam entre si e estou envolvido. É incrível e parece um sonho, mas é verdade. É como um sonho tornado realidade.

SPORT1: Então você era fã do Bayern na sua juventude? Naquela época, nos anos 70, havia apenas os dois pólos Gladbach ou Bavaria.

Pegadinha: Não tenho vergonha, eu era fã do Bayern. A maioria das pessoas legais usava uma camisa do Gladbach (risos). Eu só queria vencer muitas vezes como fã no fim de semana.Eu fui à Marienplatz em Munique aos 16 ou 17 anos quando eles se tornaram campeões. Na última jornada, venceu por 3: 1 contra o Braunschweig no Estádio Olímpico. Naquela época, meu amigo me conseguiu um lugar no caminhão através de uma empresa de expedição e ficamos na curva sul com uma jaqueta jeans da Baviera e o emblema. Foi assim, não tenho vergonha. Voltamos para casa dois dias depois.

Christian Streich: “Não tenho objetivo”

SPORT1: O SC Freiburg não fica longe da sua cidade natal, Eimeldingen. Qual era a percepção do clube então, você tinha um relacionamento com o SC na época?

Pegadinha: Eu não tinha nenhuma relação de fãs com o SC Freiburg, mas um relacionamento com o FC Basel. Tínhamos apenas 20 minutos para St. Jakob-Park, do outro lado da fronteira, venho diretamente da esquina de três países. Naquela época, o FC Basel era muito bom e jogou a Copa dos Campeões da Europa. Contra o Red Star Belgrade havia 45.000 torcedores em St. Jakob, eu estava na final do Fortuna Düsseldorf – FC Barcelona (Taça dos Vencedores das Taças da Europa de 1979, nota do editor.) O Barcelona com Hans Krankl e Johan Neeskens venceu por 4: 3 e tudo no estádio recebeu as cores vermelho e azul da Basiléia porque um jogador da Basiléia fundou o FC Barcelona. Ele trouxe as cores para Barcelona. Em Freiburg, eu era mais pelo Freiburg FC. Foi o clube da cidade que teve um impacto maior. Quando mudei para a juventude A do FFC, obtive um reconhecimento real das pessoas. Então, na infância, eu não tinha uma conexão mais próxima com o SC Freiburg, tenho que admitir isso honestamente.

SPORT1: Você alcançou seu objetivo profissionalmente?

Pegadinha: Eu não tenho objetivo. Se eu experimento treinar agora sem espectadores, isso me lembra o tempo todo do meu trabalho como treinador de jovens. Você quase joga o jogo com os jogadores, eles ouvem todos os meus gritos. No momento, há muito contato e comunicação em campo, é brutal. Você sempre deve ter objetivos, mas estranhamente eu não tenho nenhum. Eu deixo ir.

Streich acredita na queda dos salários

SPORT1: Você acha que o período Corona trará uma mudança duradoura no futebol?

Pegadinha: Ainda estamos no período Corona. Você também pode dizer que não está acontecendo muita coisa no mercado de transferências no momento. Os clubes hesitam e não sabem exatamente o que acontecerá em três meses. Se não houver uma segunda onda, ela poderá normalizar um pouco novamente. Não posso fazer uma previsão. Provavelmente, os salários diminuirão para alguns dos clubes, provavelmente não para os principais clubes absolutos. Grandes investidores e bilionários correm para ter um playground. Isso é legítimo se estiver em conformidade com uma estrutura legal. Espero que 50 + 1 permaneça conosco e clubes como nós possam sobreviver. A Inglaterra é um ótimo país do futebol, mas há 20 anos eu era mais conservador – eu era conservador. O futebol não era melhor então, mas algumas das coisas ao seu redor estão no limite. Espero que na Alemanha mantenhamos algumas coisas que nos trouxeram muito entusiasmo no futebol. Estou convencido de que sempre podemos jogar futebol em um bom nível se bons treinadores e funcionários jovens o seguirem, mesmo que um ou dois países afastem os melhores jogadores de você. Eu quero que sejamos capazes de nos comunicar com fãs e órgãos para que as condições democráticas prevaleçam. Estou extremamente feliz por fazer parte da Bundesliga. Algumas coisas precisam ser mudadas, mas legalmente tudo tem que ser amarrado para que não percam a cara.

SPORT1: Com o SC Freiburg, você terminará a temporada na metade superior da tabela. É um bom resultado para você ou depende do lugar na tabela e da conquista da Copa da Europa?

Pegadinha: Não, eu não faço isso. A temporada foi ótima e foi muito divertida. Também passamos por vales, mas o desenvolvimento é bom e alguns jogadores deram passos. Não estou satisfeito com tudo, mas com a maioria. Eu vejo meus jogadores e acho ótimo que todos usem nossas camisas. São caras de verdade que podem chutar bem e ter o coração no lugar certo. Os meninos em campo podem fazer tudo bem, então tenho que dizer como treinador: Chapeau. Eles chutam, nós apenas os ajudamos um pouco.

Christian Streich em geral SPORT1Entrevista: Parte dois sobre sociedade, filosofia, vida segue no sábado.

Gosta de dicas de futebol para investimento desportivo? Então visita agora mesmo Palpites Copa do Mundo e prepara-se para viver a emoção do maior campeonato do planeta.