Sem categoria

Kampl: Sou grato a Tuchel por isso



Fonte do texto SPORT1.de

Kevin Kampl é designer de jogos no RB Leipzig e está na Bundesliga desde 2015. No sábado, ele duela sua equipe contra o ex-clube Borussia Dortmund pelo vice-campeonato.

O jogador de 29 anos jogou meio ano pela BVB sob o comando de Jürgen Klopp. Então Thomas Tuchel veio e o esloveno foi para Bayer Leverkusen.

Seu contrato na RB Leipzig expira em 30 de junho. O meio-jogador experiente em tecnologia não esconde querer passar mais anos com os quartos-de-final da Liga dos Campeões. Ele acredita no seu (ainda) companheiro de equipe Timo Werner no Chelsea FC.

Encomende a camisa atual da RB Leipzig agora – clique aqui para a loja! | EXIBIÇÃO

SPORT1: Sr. Kampl, o RB Leipzig contra o Borussia Dortmund é um jogo absoluto que normalmente seria jogado em um estádio lotado. A antecipação está nublada porque deve ser um jogo de fantasmas?

Kampl: É claro que é diferente jogar na frente de uma casa cheia. Teríamos experimentado uma excelente atmosfera, especialmente aqui em casa, no nosso estádio. Afinal, também é sobre alguma coisa. É uma pena que os fãs não possam estar lá, mas ainda estamos focados em nosso objetivo. Queremos esclarecer a qualificação da Liga dos Campeões no sábado.

SPORT1: Tanto Leipzig quanto BVB sofreram recentemente um revés. Também importa no sábado quem é melhor em lidar com isso?

Kampl: Conseguimos um ponto depois de tudo. Claro, liderámos por 2-0 contra o Düsseldorf e não devíamos deixar o jogo fora de nossas mãos. Isso não foi bom. Mas não devemos mais pensar nisso, porque temos um jogo absoluto na frente do peito. Estamos totalmente focados nisso. Acho que a BVB quer compensar alguma coisa após a perda para o Mainz. Eu acho que existem duas equipes muito quentes.

Jogo contra o ex-clube BVB

SPORT1: Você jogou na BVB por meio ano em 2015. O duelo com seu ex-clube é especial para você ou é um jogo como outro agora?

Kampl: Eu aprendi muito em Dortmund, mesmo estando lá por pouco tempo. Mas ainda não existem muitos jogadores que ainda conheço. Desde então, joguei contra o BVB algumas vezes. Os resultados contra eles foram muito diferentes, às vezes ganhei, às vezes perdi. Espero poder ganhar novamente desta vez.

SPORT1: Você é o melhor em Leipzig hoje, por que não se tornou um em Dortmund?

Kampl: Não era uma situação fácil como novo jogador na época. Eu vim de Salzburgo, onde fomos os primeiros no campeonato e bem-sucedidos na Liga Europa. Em Dortmund, estávamos no segundo lugar no início da segunda metade do ano, que foi a última metade sob Jürgen Klopp e tivemos que lutar pelo rebaixamento. Mas joguei quase todos os jogos, tive um contrato de longo prazo e teria minha chance com Thomas Tuchel.

Tuchel “queria me manter”

SPORT1: O que Tuchel lhe disse então?

Kampl: Ele não estava emocionado por eu querer ir para Leverkusen porque ele queria me manter. Mas Roger Schmidt era um treinador em Leverkusen na época. Schmidt era meu mentor, por assim dizer, e eu sabia que poderia jogar meu melhor futebol com ele. Então, fui ao escritório de Thomas Tuchel e pedi que ele mudasse. Ele me permitiu fazer isso e ainda estou muito grato a ele por isso. Eu bati imediatamente em Leverkusen.

SPORT1: Você ainda está em contato com ex-jogadores da BVB?

Kampl: Não, isso se perde ao longo dos anos. Estive em alguns clubes agora e há poucos jogadores com quem você pode manter contato ao longo dos anos. Mas alguns também se tornam verdadeiros amigos.

SPORT1: Julian Nagelsmann disse que o vice-campeão é “ele não dá a mínima”, ele só está interessado na qualificação da Liga dos Campeões. Você concorda com isso?

Kampl: Definitivamente. Temos que fazer tudo o que pudermos para jogar na Liga dos Campeões na próxima temporada. Atualmente, estamos construindo algo aqui em Leipzig, somos a equipe mais jovem da Alemanha e queremos nos comparar com as melhores equipes da Europa. É uma grande honra para todos os jogadores. Ainda não temos pontos e queremos obtê-los rapidamente. Que eu sou mais importante do que a questão de saber se seremos o segundo.

Nagelsmann não teve que jurar em grande

SPORT1: Como Julian Nagelsmann comprometeu o time nos dois jogos restantes?

Kampl: Ele não precisava mais ser tão bom assim. Claro que conversamos sobre isso. Estamos em posição de ter tudo em nossas próprias mãos. Não devemos ficar nervosos agora, porque sabemos como somos bons. Faremos tudo o que pudermos para tornar nosso objetivo claro no sábado.

SPORT1: Quando Leipzig jogar a Liga dos Campeões na próxima temporada, você estará lá. Você está prestes a assinar uma extensão de contrato, está correto?

Kampl: Atualmente não há nada novo aqui. Eu sempre enfatizei o quanto me sinto bem em Leipzig. A filosofia da RB Leipzig é sustentável e consistente. Também é importante para mim que minha família se sinta bem. Tenho dois filhos pequenos e eles desempenham um papel importante na minha decisão. Me sinto ótimo novamente depois da minha lesão e vamos ver o que o futuro reserva.

Timo Werner causará sensação no Chelsea

SPORT1: Seu colega Timo Werner muda para o Chelsea. O que supera você: você está mais feliz por ele ou prefere lamentar que Leipzig perca um dos melhores jogadores?

Kampl: É claro que é uma pena para nós que Timo saia. Ele marcou muitos gols e é um jogador importante para nós. Eu me dou bem com ele, então estou muito feliz por ele. Ele merece dar o próximo passo em sua carreira. Mas acho uma pena que ele não esteja na cabana no futuro, porque ele é um pássaro engraçado com quem você pode rir muito. Vou sentir falta disso.

SPORT1: Você acha que isso causará uma sensação na Premier League e na Bundesliga?

Kampl: De qualquer forma, estou firmemente convencido disso.

Gosta de dicas de futebol para investimento desportivo? Então visita agora mesmo Palpites Copa do Mundo e prepara-se para viver a emoção do maior campeonato do planeta.